quinta-feira, 3 de outubro de 2013

18) Desigualdade Das Riquezas - ótimo!

   Desigualdade Das Riquezas

    A desigualdade das riquezas é um desses problemas que se procura resolver em vão, desde que se considere apenas a vida atual.

     A principal questão que se apresenta é esta:
- Porque todos os homens não são igualmente ricos?

     Eles não o são por um razão muito simples:

 - Porque não são igualmente inteligentes, ativos e laboriosos para adquirir, nem moderados e previdentes para conservar.

    Está matematicamente demonstrado que, se a riqueza fosse igualmente repartida, daria a cada qual um parte mínima e insuficiente; 

supondo-se que essa divisão fosse feita, o equilíbrio seria rompido em pouco tempo, pelas diferenças de qualidade e de aptidões de cada um; que se isso fosse possível e durável, cada um tendo somente o necessário para viver, resultaria na destruição de todos os grandes trabalhos que contribuem para o progresso e bem-estar da Humanidade;

Que, ao supor que ela daria a cada um o necessário, não haveria mais o estímulo que impulsiona o homem às grandes descobertas e aos empreendimentos úteis.
Se Deus a concentra em certos pontos, é para que dali ela se expanda em quantidade suficiente, de acordo com as necessidades.

     Admitindo-se isto, pergunta-se:
    - Porque Deus a dá a pessoas incapazes de fazê-la frutificar para o bem de todos?
     É novamente uma prova da sabedoria e da bondade de Deus.
     Dando ao homem o livre-arbítrio, quis que ele chegasse, por sua própria ação, a estabelecer a diferença entre o bem e o mal, de tal forma que a prática do bem fosse o resultado de seus esforços, e de própria vontade.

     O homem não deve ser conduzido fatalmente nem ao bem, nem ao mal, porque seria apenas um ser passivo e irresponsável, como os animais.
     A riqueza é um meio de colocá-lo à prova moralmente; mas como ela é, ao mesmo tempo, um poderoso meio de ação para o progresso, Deus não quer que ela fique por muito tempo improdutiva, e eis porque a transfere incessantemente.
     Cada qual deve possuí-la para aprender a utilizá-la, e demonstrar que uso dela saberá fazer.

     Mas, há uma impossibilidade material de que todos a possuam ao mesmo tempo. Se todas as pessoas a possuíssem, ninguém trabalharia, e o melhoramento da Terra sofreria com isso.
     Essa é a razão de cada um a possuir por sua vez. Desta maneira aquele que hoje não a tem, já teve ou a terá em uma outra existência, e outro que a tem agora poderá não ter mais amanhã.
     Há ricos e pobres, porque Deus, sendo justo como é, determina a cada um trabalhar por sua vez.
     A pobreza é para uns a prova de paciência e resignação; a riqueza é para outros, a prova de caridade e abnegação.

     Lamenta-se, com razão, o péssimo uso que algumas pessoas fazem de suas riquezas, as vergonhosas paixões que a cobiça desperta, e pergunta-se:  
     - Deus é justo ao dar a riqueza a tais pessoas? É claro que, se o homem tivesse apenas uma existência, nada justificaria tal repartição dos bens da Terra; entretanto, se ao invés de limitar sua visão à vida presente, considerar o conjunto das existências, vê que tudo se equilibra com justiça.

     Assim, o pobre não tem motivos para acusar a Providencia, nem de invejar os ricos, e nem estes tem motivos para vangloriar-se do que se possuem.
     Se abusam da riqueza, não será nem com decretos, nem com leis que limitem o supérfluo e o luxo, que se poderá remediar o mal.
     As leis podem momentaneamente modificar o exterior, mas não o coração; eis porque essa lei tem apenas uma duração temporária, e são sempre seguidas de uma reação desenfreada.

     A origem do mal está no egoísmo e no orgulho; os abusos de toda espécie cessarão por si mesmos, quando os homens deixarem-se reger pela lei da Caridade. (Capítulo 16, item 8 do Evangelho Segundo O Espiritismo – Allan Kardec)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...