terça-feira, 8 de outubro de 2013

23) Dívida E Resgate (história tirada da vida real)



Dívida E Resgate 
(história tirada da vida real)

     Na antevéspera do Natal de 1856, Dona Maria Augusta Correia da Silva, senhora de extensos haveres, retornava à fazenda, às margens do Paraíba, após quase um ano de passeio repousante na Corte.
     Acompanhada de numerosos amigos que lhe desfrutariam a festiva hospitalidade, a orgulhosa matrona, na tarde chuvosa e escura, recebia os sessenta e dois cativos de sua casa que, sorridentes e humildes, lhe pediam a bênção.
     Na sala grande, nobremente assentada em velha poltrona sobre largo estrado que lhe permitisse mais amplo golpe de vista, fazia um gesto de complacência, à distância, para cada servidor que exclamava de joelhos:
     - Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, “sinhá”!
     - Louvado seja! – acentuava Dona Maria com terrível severidade a transparecer-lhe da voz.
     
     Velhinhos de cabeça branca, homens rudes do campo, mulheres desfiguradas pelo sofrimento, moços e crianças desfilavam nas boas-vindas.
Contudo, em ângulo recuado, pobre moça mestiça, sustentando nos braços duas crianças recém-nascidas, sob a feroz atenção de capataz desalmado, esperava a sua vez.
     Foi a última que se aproximou para a saudação.
     A fazendeira soberana levantou-se, empertigada, chamou para junto de si o Cérbero humano que seguia de perto a jovem escrava, e, antes que a pobrezinha lhe dirigisse a palavra, falou-lhe, duramente:
     
     - Matilde, guarde as crias na senzala e encontre-me no terreiro. Precisamos conversar.
     A interpelada obedeceu sem hesitação.
     E afastando-se do recinto, na direção do quintal, Dona Maria Augusta e o assessor de azorrague em punho cochichavam entre si.
     No grande pátio que a noite agora amortalhava em sombra espessa, a mãezinha infortunada veio atender à ordenação recebida.
     - Acompanhe-nos! - determinou Dona Maria, austeramente.
     Guiadas pelo rude capitão do mato, as duas mulheres abordaram a margem do rio transbordante.
     Nuvens formidandas coavam no céu os medonhos rugidos de trovões remotos...
     Derramava-se o Paraíba, em soberbo espetáculo de grandeza, dominando o vale extenso.
     
     Dona Maria pousou o olhar coruscante na mestiça humilhada e falou:
     - Diga de quem são essas duas “crias” nascidas em minha ausência!
     - De “Nhô” Zico “sinhá”!
     - Miserável! – bradou a proprietária poderosa – meu filho não me daria semelhante desgosto. Negue essa infâmia!
     - Não posso! Não posso!
     A patroa encolerizada relanceou o olhar pela paisagem deserta e bramiu, rouquenha:
     - Nunca mais verá você essas crianças que odeio...
     - Ah! “Sinhá” – soluçou a infeliz -, não me separe dos meninos! Não me separe dos meninos! Pelo amor de Deus!...

     - Não quero você mais aqui e essas crias serão entregues à venda.
     - Não me expulse, “sinhá”! Não me expulse!
     - Desavergonhada, de hoje em diante você é livre!
     E depois de expressivo gesto para o companheiro, acentuou, irônica:
     - Livre, poderá você trabalhar noutra parte para comprar esses rebentos malditos.
     Matilde sorriu, em meio do pranto copioso, e exclamou:
     - Ajude-me, “sinhá”... Se é assim, darei meu sangue para reaver meus filhinhos...
     
     Dona Maria Augusta indicou-lhe o Paraíba enorme e sentenciou:
     - Você está livre, mas fuja de minha presença. Atravesse o rio e desapareça!
     - “Sinhá”, assim não! Tenha piedade de sua cativa! Ai, Jesus! Não posso morrer...
     Mas, a um sinal da patroa, o capataz envilecido estalou o chicote no dorso da jovem, que oscilou, indefesa, caindo na corrente profunda.
     - Socorro! Socorro, meu Deus! Valei-me, Nosso Senhor! – gritou a mísera, debatendo-se nas águas.
     Todavia, daí a instantes, apenas um cadáver de mulher descia rio a baixo, ante o silêncio da noite...

     Cem anos se passaram...
     Na antevéspera do Natal de 1956, Dona Maria Augusta Correia da Silva, reencarnada estava na cidade de Passa-Quatro, no sul de Minas Gerais.
     Mostrava-se noutro corpo de carne, como quem mudara de vestimenta, mas era ela mesma, com a diferença de que, ao invés de rica latifundiária, era agora apagada mulher, em rigorosa luta para ajudar o marido na defesa do pão.
     Sofria no lar as privações dos escravos de outro tempo.
     Era mãe, padecendo aflições e sonhos... Meditava nos filhinhos, ante a expectação do Natal, quando a chuva, sobre o telhado, se fez mais intensa.
Horrível temporal desabava na região.
     Alagara-se tudo em derredor da casa singela.
     
     A pobre senhora, vendo a água invadir-lhe o reduto doméstico, avançou para fora, seguida do esposo e das crianças...
     As águas, porém, subiam sempre em turbilhão envolvente e destruidor, arrastando o que se lhes opusesse à passagem.
     Diante da ex-fazendeira erguia-se um rio inesperado e imenso e, em dado instante, esmagada de dor, ante a violenta separação do companheiro e dos pequeninos, tombou na caudal, gritando em desespero:
     - Socorro! Socorro, meu Deus! Valei-me Nosso Senhor!

     Todavia, decorridos alguns momento, apenas um cadáver de mulher descia corrente a baixo, ante o silêncio da noite...
     A antiga sitiante do Vale do Paraíba resgatou o débito que contraíra perante a Lei.


do livro Contos E Apólogos  (psicografia Chico Xavier - espírito Irmão X))

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...